Se você trabalha com equipamentos, serviços ou softwares e ainda não sabe o que é agenciamento de vendas saiba que pode estar perdendo muito dinheiro e oportunidades de negócios.

O agenciamento de vendas é uma modalidade que todos os distribuidores que atuam no mercado de automação comercial (e acredite se quiser alguns fabricantes também) disponibilizam de faturamento direto para o cliente final.

Na prática, o revendedor passa o pedido para o distribuidor com os dados do cliente final e o distribuidor:

Nessa modalidade, o revendedor de automação comercial receberá uma “comissão” sobre a venda, normalmente calculada da seguinte forma:

(Valor da Venda) – (Valor de Custo do Produto) = Comissão Bruta

(Comissão Bruta) – (Impostos sobre margem da revenda) – (custos financeiros) – (frete) = Comissão Líquida

Vamos fazer um cálculo simulado para entendimento de um produto vendido por 2.500,00 que custa 2.000,00:

(2.500,00) – (2.000,00) = 500,00 – Comissão Bruta

(500,00) – (0,18*500,00) = 410,00 – Comissão Bruta menos Impostos

(410,00) – (50,00) – (30,00) = 330,00 – Comissão bruta menos custos financeiros e frete (se houver), gerando uma comissão líquida de 330,00

A partir disso a Revenda emite uma Nota Fiscal de Serviços no valor de 330,00 e recebe a comissão.

Em um primeiro momento, aqueles que estão acostumados a comprar para revender podem pensar: não vale a pena.

Mas não é bem assim.

Essa mesma operação em uma revenda que opta pelo Simples Nacional como modelo de tributação gerou, no mínimo, 125,00 de imposto (considerando alíquota de 5% sobre 2.500,00).

Nesse caso o lucro da operação já estaria em 2.500,00 – 2.000,00 (preço de custo) – 125,00 = 375,00.

Mas ainda há o custo do frete, do armazenamento do produto e o principal: do caixa necessário para comprar o produto, muitas vezes pagar o fornecedor e só depois vender.

Além disso, há um outro fator complicado, que é a inadimplência. Caso esse cliente não pague a revenda que optou pelo agenciamento terá um prejuízo de apenas 330,00. Em contrapartida, a revenda que comprou para revender terá um prejuízo de 2.000,00. Logo, o fator risco acaba pesando nesse caso.

Por esse motivo, montei uma lista de situações em que o agenciamento tende a ser mais vantajoso do que a compra e venda:

  1. Empresas de Software ou Prestação de Serviços que não possuem Inscrição Estadual. Assim podem emitir Nota de serviço apenas para resgate de comissões;
  2. Empresas que não possuem espaço físico e segurança para armazenar estoque;
  3. Empresas que compram e vendem e que estão no Simples Nacional – Recomendo agenciar tudo o que não for venda emergencial;
  4. Operações interestaduais, independente do tipo de empresa;
  5. Pedidos muito grandes que podem expor a revenda a um problema de caixa em caso de inadimplência;
  6. Venda de produtos dolarizados, sujeitos a variação cambial.

Agora, se você compra e vende, leu esse Post e se animou com a possibilidade de agenciar, tome cuidado com uma coisa importante: você precisará reduzir seu custo operacional.

Portanto, se você passar a agenciar 10% do seu faturamento total, reduza seu custo operacional em 10%. Se passar a agenciar 15%, reduza em 15 e assim sucessivamente.

Caso contrário você poderá ter problemas de fluxo de caixa, fechado?

Um abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.